Com olhos no Futuro

Eles são Campeões Mundiais, trouxeram várias conquistas importantes nos últimos 10 anos, estão vivendo a vibe de um Centenário recente, possuem vários ídolos internacionais em sua história e seu portifolio de títulos, conquistas e triunfos dispensa comentários. Mas, tem algo dentro destes três clubes em especial, pouco comentado que iremos abordar neste Post: os olhos no futuro, dentro e fora de campo.

No Brasil, temos cerca de doze, quinze gigantes, que dentro de campo mais ou menos se equivalem. Mas é notório que Corinthians, Santos e Internacional estão um passo bem a frente dos demais gigantes nos aspectos mais importantes do Planeta Bola. Principalmente no que faz um clube girar no Séc. XXI: estrutura, títulos, planejamento e sucesso financeiro.

CORINTHIANS

Até 2009, a solução para o Corinthians “jogar em casa” era alugar o Morumbi do rival São Paulo, o Pacaembu da Prefeitura ou atuar na sua acanhada Fazendinha, pra 8.000 lugares liberados pelo CONTRU, apesar da capacidade oficial ser 18.000. No meio de 2010, com os primeiros anúncios da Copa do Mundo de 2014, tudo mudou.

A necessidade de modernizar o clube já fazia o mesmo se mexer e correr atrás de projetos para uma Mega-Arena de 48.000 lugares. O que o Corinthians não contava era o Morumbi vetado pela FIFA e uma Copa do Mundo caindo no colo do clube, o único a construir arena na cidade com os padrões FIFA. O projeto, de 48.000, foi ampliado para 68.000 (totalizando 70.000 após a Copa do Mundo, com a retirada de 2.000 cadeiras das Populares) para satisfazer a FIFA e sua Abertura do evento. Nascia aí o projeto da Arena Corinthians, que está em construção e negocia seus Naming Rights.

Não era o bastante. Além de modernizar CT, CT da Base, Sede Social, Memorial e demais construções (aproveitando o seu Centenário em 2010), o clube apostou numa revitalização de seu estatuto, trazendo de volta o sócio para o clube, tendo voz e vez. Outra coisa bastante trabalhada foi apostar na volta da força em esportes amadores como o Remo e o Futsal, e em nichos pouco explorados pelo Futebol, como esportes radicais, MMA ou até Fórmula Super Truck.

Estas conquistas ocorreram na vitoriosa gestão de Andrés Sanchez (sucedido este ano por Mário Gobbi), que, após anos de continuismo e balbúrdia de Alberto Dualib, repaginou o Corinthians por completo, com a volta a Série A em 2008. O ânimo e o espírito vencedor do clube seguiu firme no fim do ano de 2008, pela vinda de Ronaldo Fenômeno, o que refletiu na mídia mundial e, é claro, dentro de campo.

Com Ronaldo e cia em campo, os resultados por consequencia, apareceram. O Timão angariou patrocínios milionários, um recorde absoluto de produtos licenciados e a premiadíssima franquia Poderoso Timão, com mais de cem lojas Brasil afora. Quanto a venda de camisas (principalmente, as polêmicas Roxa, Grená e Cinza, que virá em 2012) e dos demais produtos licenciados, dispensa comentários.

A Poderoso Timão, do Parque São Jorge. Estrutura pau a pau com muito clube estrangeiro.

A Poderoso Timão, do Parque São Jorge. Estrutura pau a pau com muito clube estrangeiro.

A “explosão Ronaldo” também trouxe outro resultado: atuar no Corinthians passou a ser “vantajoso”. Atletas, até então “operários” em equipes menores, explodiam para o Futebol Internacional e Seleção Brasileira, pela altíssima exposição ao jogar no Timão com Ronaldo Fenômeno.  Aconteceu com Cristian, com André Santos, com Douglas, com Elias, com Bruno César, com Dentinho, com Jucilei e com o goleiro Felipe.

Todos os citados, ou foram para a Seleção Brasileira, pelo menos uma vez, ou foram para a Europa. Para alguns, ambos. Do atual elenco, Ralf e Paulinho, mesmo após R9 abandonar os campos, também já foram convocados por Mano Menezes pelo menos uma vez jogando pelo Corinthians.

O sucesso de trazer astros internacionais continuou com Roberto Carlos, Alex, Liédson e Adriano (embora este último não tenha dado nada certo) e, mais recentemente a aposta Chen Zizao, tentando angariar o mercado futebolístico pouco explorado, porém com altíssimo poderio financeiro na China. E há quem diga que a Diretoria trabalha em sigilo para um novo atleta de renome internacional para o segundo semestre. Aguardemos.

A seção de Camisas Históricas do Memorial do Corinthians. Uma das atrações mais procuradas pelo corinthiano visitando a Sede Social.

A seção de Camisas, Bolas e Faixas Históricas do Memorial do Corinthians. Uma das atrações mais procuradas pelo corinthiano visitando a Sede Social.

O pulo do gato, principalmente para a Fiel, veio com o Plano Fiel Torcedor, acabando pouco a pouco com filas e cambistas, premiando a fidelidade dos torcedores mais assíduos e proporcionando ao Corinthians a maior renda e segunda maior média de público do país (perdendo apenas para o Santa Cruz, mas o clube pernambucano conta com uma das piores rendas entre os grandes).

Tudo isso mesmo jogando, por enquanto num estádio de 40.000 lugares e perdendo boa parte da renda em aluguel, contra clubes atuando em estádios próprios para 60.000, 80.000.  Agora, imagine daqui um ano e pouco, este mesmo público fiel, não mais com 40.000 espaços, mas sim com 70.000 lugares, sem precisar pagar aluguel e com o estádio mais moderno das Américas no coração do grosso da torcida. Nascia aí o Corinthians, com olhos para o Séc XXI.

Os resultados de 2007 pra cá ?

Uma Mega-Arena moderna e estilo “máquina de fazer dinheiro” para a abertura da Copa do Mundo, 4º maior patrocínio do planeta, maior cota de TV do país ao lado do Flamengo, melhor estrutura do país segundo estudo do SPORTV em 2011 (ao lado do São Paulo), camisa mais bonita do planeta eleita por internautas europeus do site inglês Subside Sports, um Campeonato Paulista em 2009, um tíutlo de Copa do Brasil 2009, e um Campeonato Brasileiro 2011, o que fez o Timão se tornar o maior vencedor de torneios nacionais ainda em atividade ao lado do Flamengo, totalizando 8 títulos. E segue em busca do sonho da Libertadores da América, ainda inédita.

Sua base é a mais vencedora do país (Octa-Campeão da Taça SP) e uma das mais vencedoras do planeta (atual Bi-Campeã Mundial Sub-18). E não parece parar por aí, com a chegada em breve, da tecnologia do CT da Base, nos mesmos moldes do Profissional.

Seu Marketing, amparado por 9nine, de Ronaldo (Grupo Ogilvy) e F/Nazca Saatchi & Saatchi, através da Nike, é premiadíssimo em Festivais Publicitários do Brasil e do Exterior, e só valoriza os contratos com as marcas.

Cifras de patrocínio exorbitantes, astros internacionais, explosão e crescimento da já gigante torcida. Até onde o Timão pode chegar, neste futuro próspero ?

A Arena Corinthians, ainda em construção. Chamariz da revolução corinthiana para o Futuro.

A Arena Corinthians, ainda em construção. 70.000 lugares marcam o chamariz da revolução corinthiana para o Futuro.

 

 

SANTOS

O Setor Visa da Vila Belmiro e o novo gramado. O Santos transformou na Vila Belmiro dentro de seus limites numa experiência incrível

O Setor Visa da Vila Belmiro e o novo gramado. O Santos transformou na Vila Belmiro dentro de seus limites numa experiência incrível

Se tornar referência em revelação de craques e atrair a atenção dos torcedores-mirins ainda sem clube no começo do Século por conta dos astros: esta foi a grande aposta do Santos, em 2002.

Ao revelar Diego e Robinho durante aquele Brasileirão, e apostar em novatos desconhecidos do grande público como Elano, vindo do Guarani, o Santos tinha como objetivo amadurecer a molecada naquele Brasileiro e, se possível, acabar com o grande hiato de conquistas de peso, desde a Era Pelé, o que estava fazendo a torcida não se renovar. O Tabu de duas décadas sem Paulistões também incomodava.

A classificação pra Fase Final do Brasileirão 2002 veio suada, na última vaga e última rodada, contra o Coritiba, e os Meninos da Vila não é que acabaram sendo Campeões Brasileiros, passando por São Paulo, Grêmio e o próprio Corinthians, citado acima (que, por sinal já havia varrido tudo quanto era torneio nos últimos anos) ?

Não era o bastante. O Santos era vice-campeão Brasileiro (e da Libertadores também) ambos em 2003 e Bi-Campeão Brasileiro novamente em 2004, com a garotada, agora mais amadurecida e reforçada por outros valores mais experientes. Era o suficiente para um Boom de torcedores-mirins do alvinegro praiano. Era um tal de “Pedala, Robinho” pra cá, “Menino da Vila” pra lá e o Santos, tradicionalmente famoso por ter uma torcida mais envelhecida, começou a mudar o panorama e apostar na garotada.

Neste hiato até os dias atuais, o Santos também abocanhava os Paulistões de 2006, 2007, 2010 e 2011, a Copa do Brasil de 2010 e a terceira Libertadores em 2011, após quase 50 anos das primeiras conquistas. Mas uma pequena falha administrativa precisava ser consertada com urgência na Baixada. A continuidade de Marcelo Teixeira, que, para muitos, possuía certo favorecimento e esquemas com empresários nas Categorias de Base do CT Rei Pelé, logo que os meninos eram lançados ao Profissional era questionada.

E, no Final de 2009, Marcelo Teixeira dá lugar a Luiz Alvaro Oliveira Ribeiro, mais conhecido como LAOR.  LAOR, homem íntegro e astuto, tomou as rédeas das negociações do Santos, de forma ousada e pensando mais no clube do que em interesses pessoais. A ousadia deu resultado: trouxe de volta o astro Robinho em 2010 e conseguiu atrair investidores para segurar os atuais astros Neymar e Ganso do fortíssimo assédio europeu, com valores praticamente impossíveis de um clube brasileiro segurar.

Neymar e Ganso, por sinal, as grandes sensações do Futebol Brasileiro no presente momento, são estrelas de contratos publicitários pessoais, que por tabela, acabam respingando no clube. Na semana passada, por exemplo, o craque Neymar fechou patrocínio com a Volkswagen. A Volkswagen, por tabela, também topou investir no próprio Santos, e irá destinar uma verba para seu CT e estrutura.

Algo parecido aconteceu em 2010 com a alimentícia Seara. Após os 3 astros do Santos, Robinho, Neymar e Ganso estrelarem um comercial para a marca, a mesma permanece na camisa do Santos até os dias de hoje.

E, com a permanência e exposição da mídia em cima de Neymar e Ganso, resulta em produtos licenciados, camisas vendidas e torcedores, principalmente nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, até então, dominadas pelos clubes cariocas, por Corinthians e por São Paulo,  esta parcela da torcida (principalmente jovens) começa a “conhecer” e amar o Santos.

Mais um fator que ajudou o Santos a conquistar a criançada são os simpáticos mascotes Baleinha e Baleião, que são um show a parte nos jogos do Santos, enquanto a bola não rola. É impossível ir a Santos e não procurar um produto da dupla, que licenciada passou a trazer lucros interessantes ao alvinegro praiano.

Baleinha e Baleião, na Vila Belmiro. O carisma fez um golaço para o Santos.

Baleinha e Baleião, na Vila Belmiro. O carisma fez um golaço para o Santos.

Outro problema que incomodava bastante o Santos era o fato de, agora que era o clube sensação e muitos (até alguns não-santistas, que gostavam de um bom Futebol) queriam ir aos jogos, era preciso acomodar sua torcida na Vila Belmiro, mesmo um estádio antigo e acanhado. A idéia foi a seguinte: já que não era possível ampliar ou construir uma Mega Arena a toque de caixa, o Santos resolveu fazer da Vila Belmiro um caldeirão confortável.

Cenas de vandalismo, chinelo voando na bandeira de escanteio, depredação, invasão de gramado, atos comuns na Vila Belmiro alguns anos atrás, tornaram se bastante raros na gestão de LAOR. A segurança dentro do local foi bastante trabalhada, com Camarotes e o Espaço Visa, uma espécie de cadeira cativa com Naming Rights. Tudo vendido pela Internet, com segurança e conforto. No alçapão santista, se não era possível aumentar, dava para melhorar. E muito.

Por consequência, melhora também a estrutura para o Associado, a Sede Social, o belíssimo Memorial do Clube e o CT Rei Pelé, dando continuidade ao trabalho das categorias de base e demais esportes. Por sinal o Santos também triunfou no Futsal e no Futebol Feminino. Por questões de acordos comerciais e contratos, as duas equipes foram momentaneamente descontinuadas em 2012, mas é certo que os investimentos em demais esportes logo voltarão com força total no alvinegro praiano.

Nas grandes mídias, também foram criadas uma TV Santos (por sinal, a TV de Clube na Web mais visitada do mundo) e a Rádio Santista, outro sucesso na Baixada.

Na próxima semana,  a exemplo dos dois outros clubes citados no Post, que já chegaram nesta data anos atrás, o Santos completará 100 anos. E, com olhos bem abertos para o Futuro, valorizando seu Passado (Pelé, Pagão, Pepe e cia), seu Presente (Neymar, Ganso, Elano) e seu Futuro (qualquer menino da periferia da Baixada Santista, que sonha em, um dia, usar a 10 do Rei Pelé).

Pelé e Neymar. O Rei e a Sensação. Juntos, até onde o Santos pode chegar mercadológicamente ?

Pelé (acima) e Neymar (abaixo). O Rei e a Sensação. Juntos, até onde o Santos pode chegar mercadológicamente ?

INTERNACIONAL

O Beira-Rio, sede gaúcha da Copa de 2014. O Futuro do Gigante trará modernidade para a FIFA e para o Internacional

O Beira-Rio, sede gaúcha da Copa de 2014. O Futuro do Gigante trará modernidade para a FIFA e para o Internacional

O Sul não é o limite. Apesar da sombra eterna do arqui-rival Grêmio, o Internacional começou a sua reestruturação completa em 2005 para 2006. Era preciso uma nova geração tão vitoriosa quanto a de Falcão e Figueroa nos anos 70. Após um vice-campeonato Brasileiro 2005, perdendo exatamente para o Corinthians, o Internacional se classificou para a Libertadores da América de 2006, com a esperança de conquistas maiores.

Capitaneados pelo meia Alex (hoje no Corinthians), Rafael Sóbis (hoje no Fluminense), Fernandão (hoje, aposentado e Diretor do próprio Internacional) e pelo pulso firme, e as vezes polêmico Presidente Fernando Carvalho, o Internacional derruba o São Paulo na Final (que tentara um Tetra-Campeonato) no Beira-Rio e vence a sua primeira Libertadores da América, lhe dando o direito de disputar o Mundial.

Ao chegar na Final do Mundial de Clubes da FIFA, o adversário era o temido Barcelona de Ronaldinho Gaúcho e Deco. E, do jeito mais sofrido, o Internacional vence o Barcelona por 1×0, com um gol de Adriano Gabiru e iguala o Grêmio de 1983.

Após o Mundial de 2006, o Internacional segue vitorioso.Fatura os Campeonatos Gaúchos de 2008, 2009 (ano de seu Centenário) e 2011, além de uma Copa Dubai e uma Copa Sul-Americana, ambos em 2008, alguns vice-campeonatos Brasileiros e Copa do Brasil e o caneco de outra Libertadores da América em 2010. O Bi-Mundial, para ultrapassar o Grêmio, não veio, ao tropeçar nos congoleses do Mazembe. Mas nada que um acidente de percurso atrapalhasse o progresso colorado.

Falcão convida o Colorado a ser Sócio. Deu certo: mais de 100.000 adesões.

Falcão convida o Colorado a ser Sócio em um outdoor. Deu certo: mais de 100.000 adesões.

Tudo as mil maravilhas dentro de campo (denominado de “Campeão de Tudo”), com o Gigante da Beira-Rio com arma poderosíssima, o Internacional foca de maneira maciça em, o que pode se considerar a maior conquista: seu Sócio-Torcedor. O resultado é excelente: mais de 100 mil associados, tornando o clube de futebol com o maior número de associados nas Américas e sexto do planeta.

A propósito, o sucesso do Sócio Colorado não foi vantagem apenas para o Internacional. Ao provar que Sócio-Torcedor dá certo no Brasil, o Internacional é uma espécie de Benchmarking do Futebol (Benchmarking = quando uma empresa cria algo inovador, e pro bem do mercado, outras empresas seguem os passos da pioneira e todo mundo ganha) no assunto de aproximar sócios do estádio e de sua Sede Social.

Se aproveitando da mesma vantagem que o Corinthians obteve, o Internacional salta para a modernidade com a Copa do Mundo de 2014, com o Beira-Rio sendo o estádio gaúcho para o torneio, sendo necessárias diversas modificações. Um grande complexo está sendo construído para o evento, o que coloca o Internacional, não mais como apenas um grande clube do Sul do País, mas como um dos maiores do planeta, financeiramente e estruturalmente.

O Internacional não parou por aí. Com uma ótima estrutura de CT, Sede Social e excelentes resultados de equipes inferiores do Inter (fruto do altíssimo investimento de Fernando Carvalho em atletas da base) e faturando bastante com renda de jogos no Beira-Rio e venda de produtos licenciados, o Internacional aposta em outras duas frentes: a cultura, através do Cinema (o filme do Bi da Libertadores entra para o Guinness Book como o maior número de pessoas numa sala de cinema, instalada no ginásio Gigantinho), e da remodelação de sua história, através de um moderníssimo Museu Colorado.

Hoje, o Internacional vê o Gigante da Beira-Rio ser completamente remodelado para a Copa de 2014. Irá ganhar uma cara totalmente diferente do velho Beira-Rio, mas que fará muito bem a saúde financeira do Inter.

A exemplo do Corinthians, o Colorado dá passos largos para o Futuro com a sua casa, suas instalações e dando acesso e vantagens a seus associados.  E dá adeus ao status de ser apenas “um clube gigante do Sul”. Hoje, é um gigante, onde o Internacional não consta apenas no nome da equipe, mas sim no âmbito de suas buscas futuras.

Parte do Museu do Internacional: modernidade a favor da história colorada.

Parte do Museu do Internacional: modernidade a favor da história colorada.

==============================================================================================================

O que muda ? O que muda é que,  como estamos encarando um Futebol Moderno, onde o extra-campo vale mais do que o dentro de campo, Corinthians, Santos e Internacional largam na frente dos outros 12, 15. É verdade, existem outros times vitoriosíssimos na última década, como o São Paulo, o Flamengo e o Fluminense, mas pecam, ou na popularização de sua marca (estádios vazios + baixa venda de produtos), ou na estrutura precária de suas instalações.

O Bonde da Copa do Mundo de 2014 está passando. Pros cariocas que apostarem no Esporte Olímpico, vai passar o Bonde da Olimpíada de 2016. Até aí, quem não alcançar Corinthians, Santos e Internacional, tende a comer poeira.

Ok, ninguém aqui é Mãe Dinah e é claro que podem aparecer outros clubes com grandes estruturas, mas pelo o que tem acontecido na última década, e refletido o fora de campo pros resultados dentro de campo, há uma grande chance destes três clubes dominarem o Futebol Brasileiro nos próximos 15 anos com certa facilidade.

É esperar pra ver. Na Corrida do Futuro, por enquanto, o Timão, o Peixe e o Colorado estão na frente.

Até mais !

Luís Butti
Twitter: @luisbutti

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s