Acima da unanimidade

Responda rápido: após o Futebol, que é unanimidade no primeiro lugar, qual é o segundo esporte do brasileiro ?

O Vôlei, da Geracão de Ouro e Prata, talvez ? Ou o Basquete de Oscar, Rosa Branca, Wlamir Marques, Hortência, Paula e Karina. A sensação MMA, vedete da Rede Globo nas noites de sábado e domingo ? O Futebol Americano da NFL, que está virando febre no país ? Ou, alguns mais fãs do Ayrton possam até responder o Automobilismo como segundo esporte, capitaneados pela Fórmula 1.

Permita-me discordar de todo mundo. O segundo esporte do Brasil é o Futebol de novo. E em terceiro, o Futebol. Em quarto, quem vem ? O Futebol. Isso se deve por uma questão meio óbvia. A maioria desses esportes que poderiam vir em segundo, terceiro ou quarto na preferência do brasileiro, só engrenaram quando o Futebol “se meteu” no meio deles.

E onde o Futebol não se meteu, ou o esporte decaiu em popularidade verde e amarela, ou levou um gelo da mídia. Veja o caso do Tênis ou do Judô, coqueluches nacionais nos anos 90. Sem o adendo do Futebol, simplesmente desapareceram. Você não cita três atletas brasileiros em atividade realmente bons nestes esportes. Claro, não tem Futebol no meio, ninguém se interessa.

A Formula 1 foi a grande exceção a regra. Conseguiu se manter com um público fiel ao esporte, mesmo com fiasco atrás de fiasco dos pilotos nacionais. Resta saber até quando vai aguentar. Regra que não foi seguida por outras categorias do automobilismo. Teve uma, por sinal, que até ganhou um Torneio só de clubes.

No Basquete Masculino, entre os oito maiores Campeões Nacionais, três são clubes de Futebol (Corinthians com 4 títulos, Vasco e Flamengo com 2). Também podemos encontrar Palmeiras e Botafogo com um, lá pro fim do Ranking. No Feminino, o clube mais bem sucedido, também vem do Futebol: a Ponte Preta, dos anos 90, Bicampeã Mundial com Paula e Hortência.

O esquadrão corinthiano base da Seleção Brasileira nos anos 50. Desde aquela época, os demais esportes tabelavam com o Futebol.

O esquadrão corinthiano base da Seleção Brasileira nos anos 50. Desde aquela época, os demais esportes tabelavam com o Futebol.

No Vôlei Masculino, o melhor time da Liga ? Cruzeiro. Na Natação, os melhores atletas vem de onde ? Corinthians e Flamengo. No atletismo, vira e mexe tem fundista do São Paulo, do Vasco ou do Cruzeiro no pódium. Aliás, o São Paulo até traz medalhas olímpicas em suas estrelas de seu escudo: o Bi Olímpico de Adhemar Ferreira da Silva. O São Paulo, por sinal, também impulsionou o maior nome do Boxe Brasileiro: Éder Jofre.

E agora, o Futebol Americano e o MMA. O primeiro, por divergências de seus organizadores, se dividiu em duas ligas grandes. Adivinha quem é Campeão em cada uma ? Em uma, o Corinthians Steamrollers. Na outra, o Fluminense Imperadores.

E o caso mais grave, que é o MMA e seu UFC. Sem conseguir entrar nos grandes canais abertos (reprise de RedeTV! dando 1 ponto no IBOPE não vale), qual foi a saída dos lutadores brasileiros para faturarem com mídia e ganharem a simpatia de mais gente ? Associar sua imagem a clubes de futebol, construir academias dentro deles. Até gringo entrou na onda.

Agora não é mais o Spider, o José Aldo ou o Minotauro no octógono. É o Corinthians, é o Flamengo, é o Internacional, é uma caralhada de clube de Futebol que entrou na brincadeira e transformou seus lutadores em Pop-Stars, num caminho sem volta. Se você é são paulino e o Anderson está lutando contra um japonês ? Torce pro japonês, porque Anderson Silva agora é Corinthians. E por aí vai.

O Futebol transformou o MMA em algo super-star no Brasil. Até então, era restrito a uma pequena parcela de fãs. Hoje, é capaz de qualquer tiazinha na rua saber quem é José Aldo. E eu não sei se isso aí é bom ou ruim. O fato é que o estopim da rivalidade dos gramados caiu no MMA e vai acontecer na prática.

O americano Chael Sonnen, adversário de Anderson Silva, atleta do Corinthians no meio do ano na próxima etapa do UFC Rio, agora se diz “fanático pelo Palmeiras” sem sequer saber as cores e o nome da equipe, chamando o time de Palestra Itália pelo nome de “Palares”. Mas a torcida alviverde já comprou a briga de Sonnen.

Qual a probabilidade de isso dar merda ? Na minha opinião, gigante.

José Aldo e Patrícia Amorim. Ele, do MMA. Ela, da Natação. Mas popularizados por um clube de Futebol: o Flamengo

José Aldo e Patrícia Amorim. Ele, do MMA. Ela, da Natação. Mas ambos popularizados por um clube de Futebol: o Flamengo

O fato é que entra temporada, sai temporada e o Futebol está cada vez mais forte como o esporte mais poderoso e popular entre os brazucas. Eu diria que ele está acima da unanimidade. Além de ser o favorito, ele “também é” a coluna cervical de 90% dos demais esportes com apelo midiático no país. Tirou clube de futebol da brincadeira diretamente ou indiretamente, meu amigo o esporte no Brasil meio que inexiste popularmente.

Some. Cai no ostracismo. Fica restrito a meia dúzia de fãs, como o Tênis ficou, com essa meia-dúzia acreditando que o péssimo Bellucci possa ser pau a pau com Federer, Djokovic ou Nadal. Ou até mais: equiparar a Gustavo Kuerten. Ou ficar como o Judô, que nas Olimpíadas de 2012, vai botar fé no….no…em quem mesmo ?

E o fenômeno Futebol consegue ser unanimidade mesmo quando o assunto não é com ele.

Até mais

Luís Butti
Twitter: @luisbutti

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s